domingo, 30 de janeiro de 2011

Memória Cultural

Patrimônio Histórico Cultural para quem põe sentido nas “coisas”

O Patrimônio Histórico Cultural pode ser constituído por bens materiais e os não materiais, ou seja, uma estátua de alguém que marcou a história do Brasil ou de qualquer outro país, uma descoberta na medicina, ou qualquer outro acontecimento pode ser considerado um patrimônio cultural. Por exemplo: a maneira de se expressar; os modos de viver; as criações de arte ou descobrimentos; documentos, uma infinidade de “coisas” pode ser considerada um Patrimônio cultural, sendo assim, o Patrimônio é tudo o que nos cerca Os bens culturais são aqueles que resultam de transformação pelo homem, das coisas naturais e/ou aqueles que garantem ao ser humano a qualidade de seu habitat. Portanto, as coisas naturais que não passaram por processos de transformação. Também podem ser bens culturais, uma vez que compõem o habitat do ser humano. O conjunto de bens culturais das diversas naturezas constitui o patrimônio cultural, que podem ser classificado de acordo com sua natureza:

Patrimônio arquitetônico

Patrimônio natural

Patrimônio Imaterial ou intangível

Patrimônio documental

Bens móveis

Bens Integrados

Por ser algo que nos cerca e que vivemos constantemente, o Patrimônio cultural deve ser preservado, cuidado, pois significa para nós que vivemos com ele uma identidade para o nosso País, e que será passado para as gerações futuras.

No próximo artigo apresentarei um pouco sobre o Patrimônio Arquitetônico de nossa região.


Ângela Gomes Freire

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Poema de Morte


"Este infinito amor de um ano faz"

que é maior que o tempo e do que tudo
ofertei-lhe meu carinho, meu silencio e meu amor
descobri em seus olhos o meu reflexo e em seu beijo a felicidade
declamei lhe poesia, mostrei a te o seu lado angelical
compartilhamos segredos...
e hoje vejo a sua alegria em minha dor, e seu sorriso em minhas lagrimas
sinto seu frio em meus calor e a vejo nos braços de outro e feliz...
porém o dia em descobrir que meu amor é verdadeiro e infinito... serás!
tarde demais, pois você estará chorando ao lado de seu amado sobre o meu tumúlo...
mas eu já não mais te ouvirei....

Jô Pinto

sábado, 22 de janeiro de 2011

A nova fase da Cultura em Minas

Descentralização e interiorização valorizam a cultura em Minas


Baseada nos quatro pilares do plano de Governo para o setor, a secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, garante que, por meio do fortalecimento do Sistema Estadual de Cultura, trabalhará para incentivar a interiorização efetiva da cultura, descentralizando programas e democratizando o acesso ao setor. Otimista, ela explica que apesar de 2011 ser considerado um ano estratégico para o planejamento dessas ações, a área cultural no Estado cresceu muito, e os desafios também. “Minas Gerais tem 853 municípios e é preciso buscar diminuir as diferenças entre eles no que se refere à infraestrutura e produção cultural”, pontua.

Por isso, os pilares do plano de Governo - experimentação, excelência artística e internacionalização; interiorização dos programas e democratização do acesso à cultura; fortalecimento da gestão do sistema de cultura e relações do fazer cultural com o mercado - são essenciais para a busca de bons resultados na área. Seguindo diretrizes do governador Antonio Anastasia, a questão do patrimônio será outra prioridade da atual gestão.

A secretária Eliane Parreiras planeja dotar as cidades históricas de segurança e visibilidade, por meio de uma política de patrimônio cultural, que envolva a educação patrimonial e a preservação das cidades históricas. Para conseguir esse objetivo, Eliane Parreiras explicou que serão efetivadas parcerias com o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e o governo federal. Outro aspecto importante que será trabalhado é o aperfeiçoamento do ICMS Cultural, que hoje já beneficia 716 municípios.

Dentro das ações que permeiam a nova gestão, a Secretaria de Estado de Cultura (SEC), por meio da Superintendência de Ação Cultural, vai realizar, durante os próximos meses de fevereiro e março, Oficinas de Elaboração, Gestão e Captação de Projetos Culturais em algumas cidades de Minas Gerais. O curso visa capacitar os gestores para a criação e gerenciamento de projetos culturais em todas etapas, assim como contextualizar a abrangência da cultura e sua importância para o desenvolvimento local.

Fortalecimento

Ainda de acordo com a secretária de Estado de Cultura, “a ideia do Governo de Minas é intensificar drasticamente o programa de interiorização. O que está sendo desenhado é, no âmbito da Secretaria de Estado de Cultura, uma reestruturação da área, a fim de que seja trabalhada do ponto de vista regional”. Com a ampliação da Superintendência de Interiorização, o objetivo é dar musculatura para que ela possa atuar, criando subsídios para mapeamento das vocações; demandas regionais e de infraestrutura, que já vêm sendo desenvolvidas, e análise do que já há disponível para saber como atuar.

Eliane Parreira explicou que o objetivo do Governo de Minas é valorizar a heterogeneidade de infraestrutura e manifestação cultural no interior, mantendo sua diversidade. Para isso, haverá estímulo aos festivais, como os de música, cinema, artes, etc.

Novas oficinas

Ao todo, cinco municípios receberão as Oficinas de Elaboração, Gestão e Captação de Projetos Culturais. São eles Curvelo, Machado, Santa Bárbara, Ponte Nova e Timóteo. Cada turma terá entre 30 e 40 pessoas e as aulas serão ministradas às sextas-feiras e aos sábados, com carga horária de 32 horas/aula.

O Programa de Formação de Gestores da Área Cultural foi criado a partir do mapeamento de demandas dirigidas à Secretaria de Estado de Cultura, vindas das várias regiões do Estado. Norteado por diretrizes mais amplas como a interiorização, a promoção do acesso aos bens culturais e à capacitação de gestores culturais, o programa tem como objetivo o fortalecimento da atuação dos agentes e gestores locais no incremento de suas atividades, capacitando-os para elaborar, planejar, gerir e captar recursos para viabilizar projetos e programas em nível local ou regional, esta última por meio de ações consorciadas.

As Oficinas de Elaboração, Gestão e Captação de Projetos Culturais acontecerão nos seguintes municípios e dias: Curvelo - 11, 12, 18 e 19 de fevereiro; Machado - 18, 19, 25 e 26 de fevereiro; Santa Bárbara - 11, 12, 18 e 19 de fevereiro; Ponte Nova - 4, 5, 11 e 12 de fevereiro; Timóteo - 11, 12, 18 e 19 de março.

Em 2009, o programa atendeu 232 pessoas, em 43 municípios. Em 2010, não foi possível realizar a ação em decorrência da legislação eleitoral. Para 2011, a Secretaria de Estado de Cultura disponibilizou o formulário de inscrição para os municípios-polo, ficando cada um responsável pela articulação entre as cidades vizinhas.

Pontos de Cultura

Os responsáveis pelos Pontos de Cultura que optaram por assinar convênio com a Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, a partir de janeiro de 2011, já estão sendo chamados a dar início ao processo de conveniamento. A Superintendência de Interiorização encaminhou ofício aos interessados, repassando as instruções.

Inicialmente, os responsáveis pelos Pontos devem procurar o setor de convênios da Secretaria, por meio do telefone (31) 3915-2669 para atualização de suas planilhas financeiras em razão do tempo decorrido entre o período de aprovação do projeto e a assinatura do convênio. Também devem ficar atentos à atualização da documentação da entidade no Cadastro Geral de Convenentes (Cagec). Mais informações podem ser obtidas no site www.convenentes.mg.gov.br.


Além disso, exige-se apresentação de procuração pública registrada em cartório pelo substituto, caso haja impossibilidade da presença do presidente da instituição no ato da assinatura.

Fonte: www.agenciaminas.mg.gov.br

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Memória Cultural


PATRIMÔNIO CULTURAL

É uma satisfação enorme contribuir para uma nova consciência em favor daquilo que nos deixa em contato permanente com as origens que determinam nossa comunidade, nosso estado, nosso pais, enfim que define nossas raízes.
Enfim, a palavra patrimônio contém dois vocábulos:pater e nomos. Pater significa etimologicamente, o chefe de família e nomos significa, em grego, lei, usos e costumes relacionados à origem tanto de uma família quanto de uma cidade.
Desta maneira a constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores de sociedade .
Se você se interessou, breve publicarei mais conhecimentos quanto ao assunto.


Ângela G. Freire

Novos Ventos

Meus caros leitores do Blog "Espaço Livre" a partir de hoje teremos uma nova coluna em nosso blog, a Professora, Turismologa e Produtora Cultural Angela Gomes Freire, nos ensinará toda semana um pouco mais sobre o Patrimônio Cultural de nosso país. é uma forma de esclarecer a sociedade quanto a importância de conserva e preservar a memória cultural de nossa sociedade. tenha todos uma ótima leitura.

seja bem vinda Angela, a este ESPAÇO LIVRE"

Jô Pinto

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Coluna do Jô Pinto

Racismo no Brasil?

No 20 de novembro estava ministrando uma palestra sobre a consciência negra, quando um menina do 4º ano me falou: para que esta palestra, no Brasil não tem racismo!... Como argumentar para uma criança que no Brasil há sim racismo! Mas chegando em casa comecei a refletir sobre as palavras da menina....

Não tivemos apartheid! nem segregação racial!
Somos um país da homogeneidade
um raça de mistura,
por isso não há racismo no Brasil
!

Não temos nem um ancora negro nos grandes telejornais,
Quantos heróis Negros aparecem nos livros de história ou gibis?
Os protagonistas de novelas negros só servem para fazer
papeis que discutem a questão do racismo ou de um personagem
negro da História. Ou para ser empregados!
por isso não há racismo no Brasil
!

Negro é bom para o futebol, tem o talento!
Quantos deputados negros mesmo?
Quantos médicos negros? Dentistas, fisioterapeutas
professores? Escritores? Diplomatas? Juristas?
Por isso não há racismo no Brasil
!

Nosso carnaval é lindo tem negras maravilhosas
ou mulatas né?

Quantos negros mesmo na universidade?,

Nas Escolas Particulares?

Nas Escolas técnicas Federais?
por isso não há racismo no Brasil
!

A sociedade disfarça o nosso racismo
camufla as evidencias, sendo assim crescemos acreditando
que a questão racial no Brasil não há,

É normal as coisas serem como elas são.

Quem não lutou pela igualdade, não tem como cobrar
de uma criancinha o direito de sonhar que no Brasil não tem racismo!


Jô Pinto

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Ao meu Velho

Súplicas

Acordei me do sono
afogado em lagrimas
de tristeza e dor

vazio profundo...
procuro seu rosto
seu carinho, seu colo
em forma de forninho

desejei o seu chingo
e seus pileques
roguei o seu regresso
para me acalentar

chorei por minha mãe
por minhas irmãs
chorei por mim
mas você não regressou

descri de DEUS
chinguei os homens
mas de nada adiantou
você não me escutou

hoje suplico a sua presença
tento te encontrar entre as estrelas
para poder novamente lhe chamar
de Pai...Painho

Jô Pinto

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Cinema e Arte nas Comunidades de Itinga

Em 1996 o M.C.I – Movimento Cultural Itinguense ,hoje Centro Cultural Escrava Feliciana, criou o projeto Cinema nas comunidades o qual tinha o objetivo de levar a arte do cinema nacional para as comunidades de Itinga, principalmente as rurais, para viabilizar o projeto foi feito uma parceria com a prefeitura municipal de Itinga, geralmente se leva também um vídeo feito na comunidade (reunião, jogo de futebol ou algunha festa) e estes eram exibidos antes das sessões, e após as sessões ainda se fazia um forrozinho para alegrar os telespectadores. Nas comunidades que não tinham energia elétrica se leva um gerador de energias movido a gasolina, o projeto perdurou até novembro de 2000 e neste período todas as comunidades do município de Itinga receberam o projeto cinema nas comunidades.

Agora estamos retornando este projeto com um novo formato chamado “Cinema e Arte nas comunidades” onde se pretende levar a arte do cinema juntamente com nossas artes locais: grupos de teatro, corais, exposição de artes, contadores de histórias, cantores e poetas, esta retomada só esta sendo possível graças a uma parceria entre o Centro Cultural Escrava Fliciana e AMAI – Associação dos Moradores e Amigos de Itinga, que juntas vem somando forças para levar entretenimento para as comunidades privadas de acesso à cultura.

Em breve divulgaremos a programação de 2011 do projeto cinema nas comunidades

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Nova Secretária de Cultura de Minas Gerais



Governador Anastasia empossa Eliane Parreiras, nova secretária de Estado de Cultura

O governador Antonio Anastasia deu posse, nesta segunda-feira (3), Eliane Parreiras ,a nova secretária estadual de Cultura de Minas Gerais. era a atuall presidente da Fundação Clóvis Salgado e secretária-geral do Conselho Curador da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, Eliane também já esteve na iniciativa privada. Ela dirigiu, durante alguns anos, o Instituto Cultural Usiminas.

"Esperamos novo tempo para a cultura de Minas e do Vale do Jequitinhonha, este importante celeiro da cultura de resistência de nossa Minas Gerais.
Pinto

Publicado Edital do Fundo Estadual de Cultura

A Secretaria de Estado de Cultura – SEC, por meio da Superintendência de Fomento e Incentivo à Cultura e da Diretoria do Fundo Estadual de Cultura, lança a quinta edição do Fundo Estadual de Cultura, mecanismo de fomento, apresentando algumas mudanças que visam aprimorar suas ações, como a análise de projetos apresentados por entidades que nãonecessariamente tenham caráter prioritariamente cultural, mas que tenham nos projetos objetivos estritamente artístico-culturais.

“O Fundo Estadual de Cultura é a garantia que estamos no caminho certo para ampliar cada vez mais presença da cultura e da arte em todo o Estado” explica o secretário de Estado de Cultura, Washington Mello, para quem o foco da pasta é o preenchimento de lacunas ao destacarmos a nossa identidade cultural, além da difusão e fruição das tradições que refletem um modo de viver próprio convergindo para o fortalecimento da diversidade cultural.

A Superintendente de Fomento e Incentivo à Cultura, Nora Vaz de Mello nos conta ainda, que é importante a leitura com atenção de cada item exigido no Edital FEC 01/2010 e a leitura complementar das Leis Estaduais nº 19.088/2010 e nº 15.975/2006 e dos Decretos nº 45.159/2009 e nº 44.341/2006, tendo em vista o atendimento das exigências para a aprovação do projeto. Visando uma adequação gradativa nos aspectos tecnológicos, o beneficiário, ao fazer sua inscrição neste Edital, além do preenchimento e envio da documentação em forma física, deverá enviar, também, os arquivos contendo os formulários gravados em mídia ótica (CDs ou DVDs). Essa medida irá facilitar e agilizar o processo de análise do projeto pelas Câmaras Setoriais Paritárias.

Mais informações no site da secretaria de estado da cultura de Minas Gerais: http://www.cultura.mg.gov.br
Fonte: secretaria de estado da cultura de Minas Gerais

Coluna do Jô Pinto

LEMBRANÇAS

Estava eu sentado na pracinha de Itinga certo dia, deveria ser umas 7:00 horas ou 19 horas se vocês preferirem, certo é que comecei a ver cenas e lembranças de um tempo, que não tem muito tempo, mas que passou: lembrei me que sou do tempo em que os pilares de formação de um cidadão era a família, a fé e a educação, sou do tempo que se brincava na praça de pique - salve, pique -esconde, pegar de três, mãe da lua, roubar bandeira, jogar china e fazer raia de pecado pelado. Me lembrei que os quadros das divisões do jardim eram obstáculos enormes e serviam para fazer salto em distancia e as bancadas de cor vermelha com bolinhas minúsculas em preto e branco servia com desafio de salto com barreira, bem como os espinhais que cercavam os canteiros, a torre de televisão no meio da praça era um passatempo gostoso principalmente com o futebol e os filmes, o chato era quando aparecia um que tinha visto o filme no cinema e contava tudo que o que ira acontecer e eu na minha ingenuidade de criança ficava imaginando o que seria este tal de cinema?. Atentar os lobinhos era o que nós da Rua Nilo Barbuda gostávamos de fazer, (nós os meninos), os Lobinhos eram o primeiro estagio dos escoteiros. As primeiras cebolinhas branquinhas marcavam o inicio da primavera e os carrinhos de pau iam em um vai e vem pelos pastos enormes de cebolinhas. Nos tempos de chuva a boa pedida era um banho na bica da igreja, livres como pássaros corriam pela chuva. No mágico monte azul brincávamos e nos tornamos cavaleiros do monte, com direito a caverna do dragão, árvore mãe e ovo do dragão. Tempos bons aqueles onde a inocência dava lugar a amizades sinceras , onde o vizinho podia corrigir o filho do outro quando este estava errado e a gente obedecia. tempos onde a palavra "DROGA" só se ouvia muuuuuuuitooooooo longe, tempos em que o professor era chamado de tio e tia, tempos em que ir a missa aos domingos era um prazer imensurável, e dar voltinhas na praça era a diversão após a missa, Tempo onde se marcava um encontro com as meninas através de um bilhetinho e um beijo no rosto era assunto para semana inteira. sentado naquela praça sentir saudades dos tempos outroros e confesso tenho saudades do tempo em que éramos todos caretas.

domingo, 2 de janeiro de 2011


A AGRUTEVAJE – Associação dos Grupos Teatrais do Vale do Jequitinhonha, realiza de 16 a 22 de janeiro de 2011, na cidade mineira de Rio Pardo de Minas (MG) a 8ª edição do FESTEJE – Festival de Teatro do Vale do Jequitinhonha

Informações
www.agrutevaje.com.br
Zé Augusto - (33) 9951-0403

sábado, 1 de janeiro de 2011

Coluna do Jô Pinto


Um ano novo, de velhas histórias?

Mas um ano se inicia e com ele as nossas esperanças se renovam, temos a posse de nossa primeira presidente mulher "Dilma" e esperamos que ela com toda a sensibilidade feminina possa dar continuidade ao que o "Lula" conquistou, e fazer o que ainda não foi realizado. Não será uma tarefa fácil, tendo em vista que os mensalões e a corrupção bate a porta a toda hora, mas nos brasileiros acreditamos que tudo será diferente e que as velhas histórias fique no passado para ser relembradas apenas pelos historiadores. nos aqui do Jequitinhonha renovamos nossas energias para dias melhores, com um pouco mais de igualdade social, política e cultural. então que 2011 seja um ano novo, não de velhas histórias, mas de novas histórias de sucesso e conquistas desse povo guerreiro/brasileiro.

Jô Pinto