sábado, 29 de junho de 2013

Memoria Cultural - História do Telefone

HISTÓRIA DO TELEFONE

Telefone - Imagem Internet
                    Fazemos parte de uma sociedade, onde tudo ocorre muito rápido, e de preferência de forma personalizada, no qual notamos que o telefone ganhou um espaço quase vital a todos, mas recordemos um pouco de sua história:
                 O telefone nasceu meio por acaso, na noite de 2 de junho de 1875. Alexander Graham Bell, um imigrante escocês que morava nos Estados Unidos e era professor de surdos-mudos, fazia experiências com um telégrafo harmônico quando seu ajudante, Thomas Watson, puxou a corda do transmissor e emitiu um som diferente. O som foi ouvido por Bell do outro lado da linha.  A invenção foi patenteada em 7 de março de 1876, mas a data que entrou para a história da telefonia foi 10 de março de 1876. Nesse dia, foi feita a transmissão elétrica da primeira mensagem completa pelo aparelho recém-inventado. Graham Bell se encontrava no último andar de uma hospedaria em Boston, nos Estados Unidos. Watson trabalhava no térreo e atendeu  o telefone, que tilintara. Ouviu, espantado: "Senhor Watson, venha cá. Preciso falar-lhe." Ele correu até o sótão de onde Bell havia telefonado. Começava a história das telecomunicações, que iria revolucionar o mundo dali em diante,     
                 No Brasil, a primeira cidade a usar o serviço da comunicação móvel  foi o Rio de Janeiro, em 1990, seguido por Brasília.      No início, os aparelhos pesavam quase meio quilo, e os assinantes tinham que pagar uma caução de US$ 20 mil para entrar no sistema. Havia aparelhos veiculares que ficavam fixos no carro e outros que podiam ser carregados.

Por: Angela Gomes Freire/ Professora, Turismologa e Tecnica em Patrimonio Cultural

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Santo Antonio Padroeiro de Itinga

                   Em 1831, chegou ao Povoado de Manga Velha o senhor Manuel Serafim dos Anjos, por ter adquirido terras naquela região e este combinou com os habitantes de erguer uma capela, mas fincaram apenas as estacas.
                      Em 1832 o Arraial Barra do Rio Itinga foi elevado à categoria de distrito de Paz, pertencendo ao município de Rio do Pardo/BA.
                      Pela resolução provincial nº. 167 de 15 de Março de 1840 o distrito de paz foi transferido para o município de Minas Novas e em 1841 dois fazendeiros João Batista Lobato e Manoel de Oliveira Castro, grandes latifundiários daquela época doaram uma área em terrenos mais elevados, cerca de um quarto de légua (2 km) do Povoado de Manga Velha a montante para a transferência do Arraial, e no ano seguinte fizeram erguer no local doado uma capela com a cooperação do capitão Martiniano Antunes, João Batista Pinto, Manoel Serafim dos Anjos, Capitão Jose Ramalho,Tenente Coronel Antonio Pinheiro Freire de Moura e de outros habitantes locais. Com a passagem dos missionários Frei Antonio Espínola Ofm e do Capuchinho Frei Domingos Casale foi dado um incentivo maior para concluírem a capela e estes propuseram que esta recebe-se o nome de Santo Antonio pelo foto dele pertencer a Ordem Franciscana, todos apoiaram a escolha. E assim a população adotou Santo Antonio como o Padroeiro do Arraial, a criação da capela ajudou o arraial a se desenvolver rapidamente, as construções começaram a ser erguidas ao redor dela, pessoas de outras regiões vinham tambem se instalar no arraial. E o Arraial deixou de ser Barra do Rio Itinga e passou as se Chamar “Santo Antonio da Barra do Rio Itinga”.
                       Em 1844 chega a primeira Imagem de Santo Antonio para ser colocada na Capela
                       Em 1845 o Arraial de Santo Antonio da Barra do Rio Itinga era vinculada a diocese de Mariana e no ano de 1850 toma posse o seu primeiro vigário o Pe. Anacleto Pereira dos Santos.
                     No então governo do presidente da província de Minas gerais o Dr. Francisco Diogo Pereira de Vasconcelos é aprovada a lei provincial nº. 670 de 29 de Abril de 1854 que eleva o Arraial de Santo Antonio da Barra do Rio Itinga a Freguesia,
              E há 171 anos Santo Antonio é o padroeiro da cidade de Itinga, para aos que nele tem fé, ele roga ao pai pedindo a proteção a cada um dos filhos desta das Águas Brancas.