quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Coral Água Branca Mostra seu encanto no FIC - Festival Internacional de Corais

Coral Água Branca no FIC - Festival Internacional de Corais

Com o objetivo de envolver as comunidades e difundir o Canto Coral, o FIC – Festival Internacional de Corais ocorre anualmente em diversos locais de Belo Horizonte passeando pelo seu rico conjunto arquitetônico e efetivando as atividades turísticas e culturais da cidade. Diversos corais entoam canções criando uma atmosfera de alegria e encantamento. Desejamos que cada vez mais, as comunidades locais sintam-se pertencentes mantendo as tradições e os valores do povo mineiro. Este  ano homenagearemos um dos maiores músicos e compositores brasileiros: Chico Buarque

Coral Água Branca
Neste 5 anos de fundação o Coral Água Branca, cantou e encantou plateias das cidades do Vale do Jequitinhonha,  do Mucuri e norte de minas, já se apresentou em Belo Horizonte na Feira de Artesanato da UFMG e agora retornou a cidade para fazer belíssimas apresentações no FIC - Festival Internacional de Corais, um dos grandes sonhos do coral e que se tornou realidade, Nestas apresentações o Coral mostrou toda a beleza da musicalidade de Itinga e do Vale do Jequitinhonha, o coral ainda pode alçar sonhos mais altos e com certeza estes outros sonhos se tornaram real.

Integrantes
Voz: 
Ana Carolina, Anna Heloisa, Daiandara, , Graziela, Kênia Karolina, Luana, Marielly , Rayene,  Miriam , Alexia, Natália, Kelly,
Meiriele, Maria Luiza, Laís, Priscila,Regiane e Glayce Kelly

Músicos:
Ronaldo, Edson, Pedro Catulé Junior,
Flávio, João Paulo

Coordenação:
Herena Barcelos e Jô Pinto

Apresentação na Praça Tom Jobim

Apresentação no Museu Abílio Barreto

Apresentação no Mercado Municipal

Apresentação nas escadarias do Palácio da Justiça

Para que alguns sonhos se tornem reais é sempre necessário ter quem acredite neles, sendo assim o Centro Cultural Escrava Feliciana Agrade as empresas e pessoas que viabilizaram o sonho do CORAL ÁGUA BRANCA de se apresentar no FIC- Festival Internacional de Corais em Belo Horizonte. Agradecemos:
A Prefeitura Municipal de Itinga por meio do Departamento Municipal de Cultura e Secretaria Municipal de Assistência Social;
AMAI - Associação dos Moradores e Amigos de Itinga, 
Sindicato dos Produtores Rurais de Itinga, 
Mercadão e Material de Construção Pedra Preta ( Lacir e Lana), 
Lotérica Vale da Sorte e Gemelar Castro(Aníbal), 
União Auto Peças de Araçuaí( André), 
Deputado Estadual Luiz Henrique, 
Vereadores:Lana Bastos,Nonoca e Lili. 
Vicentino e Jubinha

Credito Fotos: Daiandara,Heberton e Caroline


sábado, 14 de setembro de 2013

Memória Cultural - Capoeria

CAPOEIRA
2º Batizado de Capoeira em Itinga, Realizado pela AMAI
Foto: Sarlete Gonçalves
Iniciada no século XVI, quando o Brasil era colônia de Portugal, quando os negros chegaram ao nosso país perceberam a necessidade de formas de proteção contra violência e repressão devido as violências sofridos pelos senhores de engenho.
Proibidos de praticar qualquer tipo de luta, os escravos adaptaram a luta por movimentos de danças africanas, de  modo  que conseguiram manter-se na resistência cultural .
Até 1930 a prática da capoeira era proibida no Brasil, pois a considerava como violência e subversiva, até que certa ocasião um capoerista, mestre Bimba, tomou a atitude de apresentar-se ao Presidente da época, Getúlio Vargas, este gostando tanto que instituiu a prática como esporte nacional brasileiro.
Apesar de não haver certa  referência quanto aos motivos da data de 03 de Agosto, que homenageia o Capoerista, importa mesmo que o ofício dos mestres de capoeira hoje é reconhecido, através do registro pelo IPHAN, como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro, no livro de registro dos saberes e ainda como formação da identidade cultural, pelo Estatuto da Igualdade Racial, em 2010.


AXÉ!

Ângela Gomes Freire, Professora, Turismóloga e Produtora Cultural

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Festa de Setembro de Itinga - Tributo a Nossa Senhora D´ajuda

                                                                                                                                                           
Foto: Otacílio Mendez
Grande parte das devoções surgidas no século XVI em Portugal, principalmente em homenagem a Nossa Senhora, chegaram às colônias com as expedições marítimas, No caso de Nossa Senhora da Ajuda, o título tem a ver principalmente com o momento da morte de Cristo na cruz. Enquanto ele oferecia sua vida pelos homens, Nossa Senhora colocava-se como “da ajuda” e intercessora dos pecadores.Sua história começa na Bahia, mais precisamente no Arraial da Ajuda, em 1549 com a chegada de Tomé de Souza, governador-geral do Brasil, e dos cincos primeiros jesuítas, entre eles o padre Manuel da Nóbrega, que desembarcaram das naus Conceição, Salvador e Ajuda, cujos nomes deram mais tarde origem a cidades e igrejas no estado Baiano. Soldados e marinheiros tinham o costume de invocar Nossa Senhora da Ajuda na ermida da praia do Restelo, em Lisboa, antes de embarcar, onde sua imagem havia sido encontrada milagrosamente. Várias naus lusas foram colocadas sob sua proteção. Ao ancorar na Costa do Descobrimento, em 1549, Tomé de Souza também trazia com a frota uma delicada imagem de cerca de 30 centímetros, foi assim que, em homenagem ao navegador, os jesuítas deram início, em 1550, ao erguimento do Arraial, construindo uma pequena capela de paus, ramos e coberta de folhas de palmeira. Antes, no local, só havia um planalto, onde se plantava cana-de-açúcar. Mais de um século depois, a igreja, que chegou a abrigar a Sé da Bahia, passou por um processo de reconstrução em que foram aproveitados os altares e colunas, assim como o púlpito e o confessionário.
           Em Itinga a festa de nossa senhora D’ajuda é a nossa maior festa religiosa ela acontece no bairro Porto Alegre geralmente do 30 de agosto ao dia 08 de Setembro, não se sabe ao certo quando que aqui chegou, mas pelos relatos colhidos tal festa acontece a quase cem anos,  a  imagem da santa, presume – se que tenha sido trazido pelo senhor Jucelino Evangelista ( ou algum parente antecessor dele) em uma viagem que este fez a Bahia. Seu Jucelino construiu uma capela  para que ela pudesse ser adorada por todos, não demorou muito e os romeiros começaram a visita – lá, principalmente os que vinham da Bahia, Fato explicado porque em Porto Seguro, Ba mas precisamente no Arraial D`ajuda existe também uma imagem da mesma, com o crescimento das peregrinações dos romeiros houve a necessidade de se criar uma nova capela, sendo assim Hermelino Evangelista doou um terreno para a construção da nova capela e esta foi erguida no final década de 60, a  festa de nossa senhora D´ajuda cresceu muito e hoje se tornou uma referência das festas religiosas do município,com uma a participação de inúmeros romeiros do município e das cidades vizinhas. Na festa há á novena, terços e quermesses e também muito comercio ambulante,.

          A festa de Nossa Senhora D´ajuda de Itinga é a segunda maior festa religiosa do Vale do Jequitinhonha em louvor a Nossa Senhora, ficando atrás apenas da festa de Nossa Senhora da Lapa, padroeira do Jequitinhonha, na cidade de Virgem da Lapa.

Fonte: Livro Memórias de Itinga de Jô Pinto